sexta-feira, 8 de agosto de 2008

QUANDO EU ME CHAMAR SAUDADE


Sentei-me à beira do amanhecer
E esperei, em vão, que tu viesses...
Dói-me a alma de te não ver,
Dói-me a alma... se tu soubesses...
E os dias vão passando
Todos iguais, todos vazios...
Todos sem a tua presença...
Todos sem o teu olhar...
Sem a minha mão na tua,
Na ânsia de te encontrar...
Mudei de nome, mudei de veste:
Ao deixar de ser Esperança
Passei a ser a Esquecida.
Mas quando um dia partir
E então me chamar Saudade,
Ainda vou esperar por ti
Num lugar que se chama
Eternidade!
****
Leonor Costa
Em 08.08.2008


13 comentários:

Professor disse...

SAUDADE gosto amargo de infelizes,
Delicioso pungir de acerbo espinho....etc., dizia o poeta!
Pô!!! Nós viemos a esta vida foi para ser felizes. Tudo o mais é bla bla bla.
Seja optimista
Um abraço
Luís Filipe

joaninha disse...

Esta alma gémea sente o mesmo, porque a sua saudade foi e nunca sei se voltará... possivelmente só na Eternidade nos reveremos...
Este poema está lindíssimo. Senti-o, como se fora eu a escrevê-lo. É extremamente difícil fazer alguém acreditar quanto se gosta e quanto desgosta não ser respeitado esse gostar… e depois vai o tempo, sem piedade leva o que mais desejaríamos que estivesse perto…
Um beijinho e muita inspiração

Paula Raposo disse...

É verdade! Como tens razão no que escreves! Obrigada pela tua visita e pelas palavras de afecto que me deixaste. Esse nosso Amigo foi uma pessoa muito especial que eu irei rever um dia, lá, onde ele está!! Muitos beijos.

Clarice disse...

Que sentimento poderoso!
Um grande abraço.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Leonor, minha Amiga apesar de toda a tristeza que contêm este poema está lindo, muito bem escrito e eu senti o meu coração dar um salto... Tb tenho muitas saudades!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha

elvira carvalho disse...

O poema está lindo, porém muito triste. Há muita dor e tristeza, não só neste como em poemas anteriores.
Deus queira que volte logo a parte que falta no seu coração.
Um abraço e bom fim de semana

Maria Laura disse...

Terrível, a saudade. Um poema lindo, sentido e triste. A espera não pode ser para sempre.

elvira carvalho disse...

Passei. Na ausência de novidades deixo um abraço e votos de boa semana

O Profeta disse...

Uma rosa breve
Uma hortênsia de alva cor
A terra molhada pelo sereno
Nos celeste paira um Açor

A madeira verde, a dança do fogo
O embalo do loureiro no vento, o alecrim
Um ribeiro de inquietas águas
Levam o perfume das mágoas em viagem sem fim


Convido-te a sentir a minha paleta de aromas


Mágico beijo

redonda disse...

Bonito, mas triste.

Catita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Catita disse...

belissimo poema, como tuas palavras dizem o que sinto. coisas da vida que doem todos os dias e por vezes cada vez mais, porque a saudade é um sentimento terrivel.

*** Cris *** disse...

Saudade...oh palavrinha!!! Mexe muito comigo...Adorei o texto, adorei aqui!
Um abraço!
Vou nessa...