sexta-feira, 25 de abril de 2008

LÁGRIMAS

Lágrimas
Choradas e sentidas
Na solidão do meu quarto...
Lágrimas
Que só eu vejo e sinto...
Choro por ti,
Pelo nosso amor desfeito,
Pelo Mundo,
Por todo o que é desgraçado,
Por aquele que amou
Mas nunca foi amado
E ainda por quem
Na vida só conheceu a dor...
E choro também por mim,
Meu amor...

Em 26.07.1964

sexta-feira, 11 de abril de 2008

INVULGARIDADE


"No meu tormento de invulgaridade
Achei-me só, igual a toda a gente".
Os mesmos gestos cheios de ansiedade
O mesmo olhar inquieto ou dolente.


Este querer-não-querer, esta vaidade,
Este andar a fugir, constantemente,
Sem querer encarar a realidade,
Em tudo sou igual à outra gente.

Quisera ser da flor perfume alado,
Poder estar aqui e em todo o lado,
Perder-me em toda a vastidão etérea,


Num mundo só por mim idealizado,
Sem que existisse a dor nem o pecado.
Olhar em volta e não ver miséria.


Leonor Costa
Em 1965

quinta-feira, 3 de abril de 2008

OUTRORA


Aquela que eu já fui e já não sou
Perdeu-se nos caminhos desta vida.
Fui primavera que não mais voltou,
Sombra de fumo quase esmaecida.

Recordo todo o tempo que passou,
Sonhos de glória todos já perdi
E a única migalha que ainda ficou
Nem sequer é minha, pertence a ti.

Só esta saudade enorme é toda minha,
Não me abandona por um só momento,
Falando-me de ti a cada passo...

Saudade da saudade que já tive,
Lágrimas silenciosas que deslizam
E caiem, tristemente, em meu regaço.

Leonor Costa/1970