quarta-feira, 21 de novembro de 2007

DEIXA QUE CHORE


Deixa que chore
Ainda que não vejas
O pranto que me corre pelo rosto
E me alivia o coração.
Deixa que chore
Enquanto ainda
Me restam lágrimas
Para regar
O deserto da minha vida!

2 comentários:

joaninha disse...

Tão sentido! É que gostei mesmo, pareceu-me estar a olhar para dentro de mim.
Bela poesia. Continue amiga, porque faz coisas muito bonitas. Um grande beijinho

elvira carvalho disse...

Chore á vontade, lave a alma, regue o deserto, mas lembre-se que depois da tempestade vem a bonança, e deixe entrar o sol na sua vida.
Um abraço