quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Voar como as avezinhas

 












Olhos abertos na penumbra
Esperando a madrugada
Ai esta dor de estar só
Acompanhada do nada…

Este nó de solidão

Encalhado na garganta

Não me deixa respirar…

E nesta grande tristeza

Minha alma esqueceu-se de cantar...

Passaram os dias e os meses

Tão cheios de melancolias…

Mas está na nossa mente

A força para lutar e vencer,

Para ressurgir do nada e voar

Como voam as avezinhas!

 

 

Leonor Costa


05.10.2012
 
 

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Que os teus voos te tragam saúde e felicidade